Hiperatividade e Défice de Atenção na escola
Para que os mitos não ocultem a verdade

De Ana Rodrigues e Nuno Lobo Antunes.




Cerca de 5% dos jovens em idade escolar têm dificuldade em se concentrar nas aulas. Assim sendo, é provável que na sua sala exista pelo menos uma criança com PHDA. O impacto desta disfunção na vida académica é enorme.

Conhecemos o sofrimento das crianças que se esforçam por ter melhores resultados, que tentam controlar-se e evitar problemas na aula e no recreio. No entanto, este empenho sem o apoio da escola traduz-se em frustração e, mais tarde, em abandono.

Os professores têm um papel fundamental na identificação das crianças com PHDA. A sua ajuda faz toda a diferença. Para o bem e para o mal.

Acreditamos que as atitudes só se alteram quando também mudam as convicções, e estas devem apoiar-se no conhecimento, e não em mitos que transformam as vítimas em réus.

A nossa responsabilidade como técnicos com larga experiência clinica, é educar os educadores, dando-lhes as ferramentas para que façam a diferença na vida das crianças que têm sob a sua guarda.

A  PHDA existe, mas não porque as crianças jogam horas sem fim nas consolas, ou passam muito tempo na internet ou em frente à televisão. Ainda que esta seja uma realidade atual, não é por isso que as crianças não se concentram na escola.

O comportamento atípico baseia-se em disfunções neurológicas de natureza variada, e resulta da interação entre os genes e o ambiente. A impulsividade, desatenção e irrequietude não são frutos da má educação, preguiça ou desmotivação, mas o resultado de um funcionamento cognitivo diferente. Estratégias adequadas na sala de aula permitem que estas crianças tenham a oportunidade de aprender. Se defendemos “uma escola para todos”, não podemos esquecer que há crianças cujas dificuldades não se veem na face, nem no corpo, mas sim no seu comportamento.

O nosso livro, “Mais forte do que eu” pretende ajudar os professores (tal como pais e técnicos), a melhor compreender a natureza da PHDA.

A escola representa um grande desafio para a criança com PHDA, porque interfere com o desempenho académico e a sociabilização. Tentamos ajudar os professores a reconhecer e a intervir nesta disfunção tantas vezes mal compreendida. Descrevemos estratégias de modificação dos contextos para lidar com os comportamentos mais disruptivos, incluindo a avaliação e adaptação de materiais e conteúdos curriculares.

Esperamos que a nossa experiência vos seja útil, e que em conjunto possamos servir as famílias com PHDA. 

 
 
Através de uma parceria entre o portal LeYa Educação e o PIN - Progresso Infantil, instituição dirigida pelo neuropediatra Nuno Lobo Antunes, vamos refletir todos os meses, nesta secção, sobre crianças com necessidades especiais, e o que todos nós, família e educadores, podemos fazer por elas. Os textos são assinados por especialistas das diferentes áreas em análise. www.pin.com.pt 




  Junte-se a nós, na página de Facebook do LeYa Educação, onde partilhamos consigo o melhor da Educação e das suas tendências.
Aceda aqui: www.facebook.com/leyaeducacaoportugal