História da Literatura Infantil em 3 minutos


De pele era moreninha, mas corava com facilidade quando os lobos a olhavam nos olhos. O que é, quase não se via, por causa da cor da epiderme. Chamavam-lhe Capuchinho Vermelho.

Os filhos do Lobo Mau, coitados, tinham de andar sempre a fugir dos caçadores e mais tarde, até, de certas avozinhas de bacamarte ao ombro.

Gata Borralheira gostava de dormitar junto do borralho e dava ares de preguiçosa, mas não sei se era. Quando se tornou princesa, mandou a madrinha para um lar (teve sorte de ela ser boazinha). Só tornou a procurá-la quando o Príncipe se quis separar por ter conhecido outra menina.

A Bela Adormecida pelava-se por sestas e por se levantar tarde. Segundo dizem, gostava que lhe levassem o pequeno-almoço à cama.

O Gato das Botas nunca se adaptou à moda das sapatilhas, o que lhe saía caro, porque as botas exigiam muita manutenção.

Quando perdeu a voz, a Cigarra teve de se tornar disco-jóquei e depois a Formiga já a contratava para as lucrativas festas que passou a organizar por encomenda.

Depois da aventura na casinha de maçapão, Hänsel engordou de tal maneira, por causa do vício de comer, que não havia dedo que lhe coubesse em anel. Tornou-se obeso, hipertenso e foi obrigado a fazer dieta de emagrecimento numa clínica. Mas nunca mais foi o mesmo.

A Branca de Neve era tão branquinha de pele que até o Espelho tinha dificuldade em a ver e refletir.

O Mata-Sete, a dado momento, ganhou gosto ao nome e à fama. Foi preciso prendê-lo numa torre do palácio real e administrar-lhe calmantes.

De noite, o Polegarzinho tinha sempre o mesmo sonho: cheirava-lhe a carne humana e só queria era ser gigante. Até mesmo depois de ter neutralizado o Ogre. Era de tal maneira que teve de fazer psicanálise.

Já no caldeirão, o Lobo d’Os Três Porquinhos nem prometendo tornar-se vegetariano se salvou de acabar cozido.

Com a Galinha dos Ovos de Ouro em sua posse, é claro que João e a mãe se tornaram muitíssimo gastadores. Aliás, já há muito que tinham deixado de gostar de sopa de feijões. Nem os que eram mágicos toleravam. Abstinham-se de carne de frango, mas por outras razões. Só comiam lagosta e faisão, ostras e salmão fumado.

Caracolinhos Dourados bem tentou desfrisar o cabelo, mas foi coisa que nunca conseguiu. E, na altura devida, começou a fazer madeixas.

O Patinho Feio era de facto horrível, mas depois cresceu e tornou-se um modelo de sucesso. Só que, com o trauma da infância e o narcisismo exacerbado, continuou a ser feio.

O Soldadinho de Chumbo nunca se conformou por não lhe terem arranjado uma perna postiça para substituir a que não tinha. E razão não lhe faltava.

Dizem que a Salta-Pocinhas nunca molhou as patinhas, eu já não me lembro. Mas aquilo é que era bicho esperto, disso não haja dúvidas.

 
João Pedro Mésseder
Professor e Escritor
 
< Ir para a lista de artigos de opinião