Professores: sal da terra, luz do mundo, esperança


Nós, professores, podemos ser o sal da terra, a luz do mundo, a esperança da humanidade. Poderemos ser o sal da terra se continuarmos a estudar, se continuarmos a aprender, se continuarmos a difundir junto das novas gerações o conhecimento gerado ao longo dos séculos. Poderemos ser a luz do mundo se guiarmos com lucidez e afeto, se estivermos próximos, se mostrarmos o erro e ensinarmos os caminhos alternativos que aproximam da verdade. Poderemos ser a esperança da humanidade se soubermos mostrar que o conhecimento tem de ser sensível e situado, tem de servir para aumentar a dignidade, a liberdade e a fraternidade universal.
Nós, professores, poderemos ser tudo isto. Se olharmos o currículo e os programas como instrumentos ao serviço das aprendizagens de todos os alunos. Se usarmos a avaliação pedagógica para promover os conhecimentos, as competências, as atitudes pessoal e socialmente relevantes. Se percebermos que somos criadores de oportunidades de aprendizagem. Se compreendermos que o sucesso educativo tem muitas faces e se conjuga necessariamente no plural. Se nos dispusermos a trabalhar em equipa e estivermos comprometidos com o nosso próprio desenvolvimento profissional. Se aceitarmos que o nosso primeiro dever não é o da obediência [ao chefe, ao ministério, ao programa...], mas sim o de servir o melhor possível o desenvolvimento cognitivo, afetivo, relacional dos nossos alunos. Se compreendermos que os pais têm de ser nossos aliados numa educação consentida e responsável. Se prescindirmos de um autoritarismo que só nos desprestigia. Se afirmarmos uma autoridade baseada no conhecimento científico e pedagógico atualizado e que prescinde das instruções “superiores”.
Nós, professores, precisamos de uma política nacional, local e organizacional que nos alente e estimule. Que nos apoie quando queremos ser sal da terra, luz do mundo e esperança da humanidade. E de uma exigência que não nos permita a mediocridade e a indiferença.
José Matias Alves
Professor Associado Convidado na Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica Portuguesa
Diretor Adjunto da Faculdade de Educação e Psicologia
Coordenador do Serviço de Apoio à Melhoria da Educação (SAME)
Coordenador do Doutoramento em Ciências da Educação
Membro integrado do Centro de Estudos em Desenvolvimento Humano (CEDH-UCP)
Autor de livros e artigos no campo da administração e organização escolar
 
Ir para a lista de artigos de opinião